Como Fazer o Cenário Atual de uma Auditoria SEO

Uma das partes mais importantes de uma auditoria SEO, o cenário atual tem como finalidade mapear a performance atual do site e nortear o planejamento estratégico e tático com base na análise de dados.

Atualmente o marketing é orientado a dados, ou seja, data-driven. Campanhas são criadas e novos produtos são lançadas com base em números e não achismos e feelings.

Com o SEO não poderia ser diferente. Analisar os dados históricos de ferramentas como Google Analytics e Google Search Console também são essenciais para traçar estratégias de otimização, fazer projeções de crescimento orgânico e a definir metas em um projeto de SEO.

Razão pelo qual o cenário atual é uma das partes mais importantes de uma auditoria SEO.

Afinal, o que é o Cenário Atual?

O cenário atual é o mapa da presença online da marca e da performance atual do site. De palavras-chave de acesso às páginas indexadas, tudo deve ser analisado e documentado para comparativos futuros.

Em uma suma é um “baseline report”, ou seja, um relatório que servirá para comparativos futuros.

Qual a importância do Cenário Atual para uma Auditoria SEO?

Além do foco no usuário, as estratégias de um projeto de SEO devem ser definidas com base na análise de dados. Ferramentas como Google Analytics, Search Console, SEMrush e Ahrefs são essenciais.

Não tem grana para contratar o SEMrush ou Ahrefs? Não tem problema, com os dados do Analytics e Search Console você já tem informações suficientes para começar as análises.

Além de mapear a performance atual do site, o cenário atual também tem como finalidade definir as primeiras ações com base em análises de performance e comportamento dos acessos oriundos da pesquisa orgânica.

Em suma, começar um projeto sem analisar os dados históricos é como reformar uma casa no escuro.

O que analisar no Cenário Atual de uma Auditoria SEO?

Conforme mencionado previamente, para confeccionar o cenário atual são necessárias algumas ferramentas. Na Hedgehog Digital nós utilizamos 4, são elas:

  • Google Search Console
  • Google Analytics
  • SEMrush
  • Ahrefs

Google Search Console (GSC)

O Search Console é um serviço gratuito oferecido pelo Google que ajuda você a monitorar e manter a presença do seu site nos resultados da Pesquisa Google. Não é preciso se inscrever no Search Console para que seu site seja incluído nos resultados de pesquisa do Google. No entanto, inscrever-se neste serviço pode ajudar você a entender como o Google vê seu site e otimizar o desempenho dele nos resultados de pesquisa”.

Dados de palavras-chave e CTR orgânico, cobertura do índice, ações manuais, segurança, inspeção de URLs, envio e processamento de sitemaps xml, dados estruturados entre outros relatórios fazem com que o GSC seja um verdadeiro canivete suíço para nós SEOs.=

“Google Search Console, o canivete suíço das ferramentas de SEO” – @SEOBazon

Para o cenário atual recomendo as seguintes análises

  • Ações manuais
  • Segurança
  • Cobertura do Índice
    • Páginas Válidas
    • Páginas com Erro
    • Páginas Excluidas
    • Páginas com Avisos
  • Performance
    • Consultas (keywords)
    • Páginas
    • Páginas x Consultas
  • Sitemap.xml
  • Enhancements
  • Links (internos e externos)

Google Analytics

“Google Analytics é um serviço gratuito e é oferecido pela Google no qual, ao ativar-se o serviço por intermédio de uma conta do Google, e ao cadastrar-se um site recebe-se um código para ser inserido na página cadastrada e, a cada exibição, estatísticas de visitação são enviadas ao sistema e apresentadas ao dono do site.”

A mais famosas das ferramentas de web analytics não poderia ficar de fora né?

Com o Google Analytics é possível analisar uma infinidade de dados. Desde acesso em tempo real até quais tamanhos de tela os usuários que acessam o site utilizam.

Para o cenário atual recomendo analisar os dados gerais e depois filtra-los por tráfego de pesquisa orgânica. Assim, é possível ter um visão geral e a representatividade do tráfego orgânico.

No GA recomendo as seguintes análises

  • Setup (Google Tag Assistant)
  • Principais Fontes de Tráfego
  • Tráfego por dispositivo
  • Conversões (metas e e-commerce tracking)
  • Tráfego Orgânico “From visits to conversions”
  • Dados comportamentais
  • Integração com Search Console
  • Dados de pesquisa Interna

SEMrush

“Se o Google Search Console é o canivete suíço do SEO, o SEMrush é a army knife.” – @SEOBazon

O SEMrush (que se pronuncia assim) é uma das ferramentas de SEO de melhor custo benefício do mercado. O SEO Toolkit tem tudo que você precisa para otimizar um site, do código ao conteúdo e até os backlinks.

Para cenário atual sugiro as seguintes análises:

  • Análise de Domínio: Visão Geral
  • Análise de Domínio: Pesquisa Orgânica
    • Principais Palavras-Chave Orgânica
    • Distribuição Por Posição Orgânica
  • Análise de Domínio: Principais Concorrentes Orgânicos

Caso tenha uma conta, recomendo auditar os backlinks com a ferramenta Backlink Audit. Mas cuidado, não vai sair incluíndo todos os link tóxicos na Disavow e enviado ao Google. Análise todos manualmente antes.

SEO Quick Win: Palavras Ranqueadas na Segunda Página

No relatório de distribuição por posição orgânica, selecione apenas as palavras da segunda página (11-20). Exporte as keywords com suas respectivas páginas e comece o processo de otimização on-page.

Histograma de Distribuição de Posição Orgânica do SEMrush

Pensa comigo, se o site ainda não foi otimizado mas já possui palavras-chave ranqueadas na segunda página, “empurra-las” para a primeira página não irá requerer muitos esforços.

“Comece os trabalho de otimização com as palavras-chave ranqueadas na segunda página de resultados orgânicos do Google” – @SEOBazon

Ahrefs

Outra poderosa ferramenta de análise e na minha humilde opinião uma das melhores para análise de backlinks.

Sendo assim, vamos utilizar o Ahrefs para analisar o perfil de backlinks de um site e fechar o cenário atual. Não, não vamos analisar Domain Authority, Page Authority e nem Spam Score.

Ao contrário do que dizem por aí, Domain Authority e Page Authority NÃO SÃO FATORES DE RANQUEAMENTO.

Com a palavras, John Muller do Google:

“We’ve seen a few times when people have asked Google: “Do you use domain authority?” And this is an easy question. You can simply say: “No, that’s a proprietary Moz metric. We don’t use Domain Authority.” But, do you have a concept that’s LIKE domain authority?” – John Muller Source: John Mueller interview at Search Love

Para o cenário atual sugiro coletar os seguintes dados:

  • Total de Backlinks
  • Total de links em domínios únicos
  • Relação de DoFollow versus NoFollow links
  • Tipos de backlinks (texto, imagem, redirect)
  • Origem dos links (CTLDs Distribution)

Conclusão

Com todos os dados mapeados e analisados é hora de colocar a mão na massa e começar as definir as estratégias de otimização.

Utilize os dados do Search Console para definir palavras-chave e páginas que não estão performando bem. Por exemplo, páginas com CTR abaixo da média para a posição média.

Não se esqueça de mapear e corrigir os erros de rastreamento e enviar o sitemap.xml.

No Google Analytics você pode listar as páginas de destino do tráfego orgânico que estão com a taxa de rejeição muita alta.

Com o SEMrush você pode listar as palavras da segunda página e começar a otimização on-page por elas. Você pode também analisar os backlinks tóxicos e começar o processo de “disavow”.

E no Ahrefs identificar oportunidades para conquistar os primeiros links analisando os sites que já apontam links para o seu site ou de seu cliente.

Gostou do artigo? Então não deixe de compartilhar sua opinião nos comentários ou de compartilhar nas redes sociais.

Quanto mais “social love” meus artigos receberem, mais motivado eu ficarei para continuar compartilhando meus conhecimentos de SEO e Content Marketing.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.